04/11/2014

[RESENHA] #SE ARREPENDIMENTO MATASSE


Hello bibouss, tudo okay? Hoje a resenha é sobre o livro Se arrependimento matasse por Alma Cervantes, vamos começar :)

Lido em: Novembro 2014
Título: Se arrependimento matasse
Autor (a): Alma Cervantes
Editora: Novo Século
Gênero: Ficção brasileira
Ano: 2013
Páginas: 240
Avaliação: ★★★★


Sinopse: Alex, Alice e Rebeca são grandes amigos e decidem se reencontrar depois de alguns anos sem se verem. O lugar escolhido é o hotel dos pais de Alex, mas o que parecia uma viagem especial, repleta de conversas agradáveis e descontraídas com os outros hóspedes durante o jantar se transforma, em seguida, num pesadelo. Quando os três se preparam para dormir, ouvem batidas desesperadas à porta e seguem ao salão, onde logo descobrem que o cozinheiro fora assassinado. Com a comoção, somada à dificuldade de fuga devido à tempestade e névoa lá fora, a confusão logo se instala no hotel, além de um desagradável clima de suspeita entre os hóspedes.

     O livro começa com a partida de três amigos: Alex, Rebeca e Alice que é um rapaz. Alex é filho de donos de um luxuoso hotel. Depois de algum tempo sem ver os amigos ele os convida para passar alguns dias com ele no hotel para poderem se divertir e relembrar os velhos tempos.

    Alice leva Rebeca e Alex de carro para o hotel e durante o caminho eles param em uma loja de conveniência, eles compram o que é necessário e logo em seguida retomam seu trajeto. Chegando ao hotel eles são recebidos por Andrei e logo chega Jeremiah, um empregado do hotel. É descrito como excêntrico e vive jogando piadas e fazendo indiretas sutis para todas as pessoas. Tem um olho preto e o outro azul, se porta de forma elegante mas é considerado um tanto diferente.

“É dito que quando alguém conhece o verdadeiro desespero, se não houver distração constante e eficiente, a pessoa se perde nas profundezas da loucura até o fim de sua vida”.
     Neste dia há poucas pessoas hospedadas no hotel, um homem chamado Dante que se diz professor se hospeda no hotel pois estava se mudando e não queria enfrentar uma possível tempestade. John um homem muito estranho também surge no hotel gerando certa desconfiança por parte de Alex. Frederica é uma mulher muito misteriosa que aparece no hotel de surpresa, seu jeito muitas vezes incomodou Vera, mãe de Alex que não gostou nem um pouco da misteriosa mulher.

     Rose uma emprega já idosa trabalhava no hotel de Charles pai de Alex há um bom tempo e ainda era eficiente, porém trabalhava poucos dias visto que já estava ficando velha. E Victor o cozinheiro que prepararia todo o jantar que seria servido esta noite.

  Alex pede que os quartos sejam interligados para poderem conversar até tarde, os amigos sobem e visualizam seus quartos perfeitamente organizados. Logo em seguida Alex vai falar com os pais para ter notícias sobre um provável negociante que possivelmente salvaria as finanças do hotel.

     Enquanto Alex vai falar com os pais Alice e Rebeca descanção e esperam Alex para o jantar que será servido as oito horas. Logo eles descem as escadas e são recebidos por Jeremiah que servirá o jantar essa noite. O jantar foi servido em uma mesa enorme que tinha lugar para todos os hóspedes, e o negociante que ainda não tinha chegado.

  Aos poucos todos foram se reunindo em volta da mesa dando início a um jantar singular. Aos poucos todos conversavam e tentavam se conhecer melhor. John era o único que permanecia calado quase que o tempo todo. Depois do jantar Charles e Vera subiram, John também. Apenas Dante, Frederica, Alex, Alice e Rebeca continuaram no andar de baixo.
“Aquilo já não mais poderia ser chamado de chuva. Era uma entidade; um ser que decidiu unir-se à névoa e conspirar com onipotência contra aqueles ridículos e pífios seres ali reunidos”.
  O grupo resolveu que seria bom jogar cartas, as duplas foram: Dante e Alice contra Alex e Rebeca. Frederica apenas observava a partida que se iniciara. A princípio Alex e Rebeca estavam perdendo mas Frederica deu um conselho a Rebeca e logo depois ela e Alex viraram o jogo e ganharam.

      Dante não gostou nada da intromissão de Frederica e ficou se perguntando o que ela teria dito para Rebeca que a fizesse ganhar. Depois de reclamar ele decidiu subir. Aos poucos todos se recolheram para seu respectivos quartos, quando tudo começou...

       As luzes foram cortadas e as linhas telefônicas também, depois de um certo pânico eis que ocorre uma fatalidade: Victor o cozinheiro foi assassinado. Mas por quem?
“Havia uma pessoa ali deitada: era Victor, o cozinheiro. Estava no chão, coberto de sangue. Em seu pescoço, um enorme corte de impiedosa profundidade, claramente a fonte da deslumbrante tinta que pintara a imensidão branca da cozinha com tão intenso vermelho”.
    A partir desse instante, tudo muda gerando um caos no Hotel que antes seria o palco de descontração se transforma no cenário de um crime. E agora quem será o assassino?

      Bom pessoal, eu li o livro em três dias, gostei muito da escrita do autor e queria parabenizá-lo pela estória, realmente fiquei surpresa com o desfecho. Não esperava de forma alguma que o livro terminaria do jeito que terminou.

       Gostei muito do personagem Alice, um rapaz maduro e inteligente, senti uma empatia por ele, o que não senti por todos os personagens. Destaco também o personagem Jeremiah com seu senso de humor sínico e descontraído.

       A capa do livro combina perfeitamente com a estória, a diagramação é muito bonita e sofisticada. Não encontrei erros na escrita ou na forma do livro. O livro é narrado em terceira pessoa, se tratando de um narrador heterodiegético.

     Confesso que não gostei muito do final, mas o que realmente importa é que me surpreendeu e muito, o mistério foi perfeitamente criado. O que eu mais gostei foi do clima chuvoso, visto que amo o frio. Fiquei com muito antipatia da mãe do Alex ela era metida e esnobe.

       O livro em si é agradável de ler e mantem um ar de segredos e mistérios, eu li e recomendo aos que gostam de um suspense que nos deixam aflitos. Beijos e abraços o/     
Kissus
©
.
.
imagem-logo